Casamento e dinheiro: uma união estável?

Imaginemos a igreja cheia de convidados, todos atentos com a importância daquele momento. Do alto de sua autoridade eclesiástica o padre faz a pergunta que cria surpresa e um certo embaraço: "Então, o casal já tem conta conjunta ou vai administrar seus ganhos separadamente?"

A metáfora aqui é colocada de uma forma a entender a importância do item dinheiro na vida de um casal. A esperança de que o amor está acima dos problemas financeiros se dissolve nos primeiros sinais de problemas  e mostra que o casamento geralmente possui uma linha muito tênue em relação ao dinheiro. Nem sempre isso é regra, mas por em pratica a arte de se lidar com dinheiro dentro da vida de um casal pode trazer muitos desgastes.
É difícil ter o senso comum e aprender com o dinheiro e suas nuances. A inserção da mulher no mercado de trabalho nos últimos anos trouxe uma nova realidade para uma família em que somente o homem provinha o sustento. Hoje existe uma geração de mulheres que se expande com velocidade a sua atuação no mercado de trabalho, ganhando seu próprio dinheiro. E como conciliar esses saldos de competências sem ter confusões entre o casal?E aí se estabelece um problema: o dinheiro dele é de todos, mas o dela é só dela ou é de todos também?
Isso no cotidiano do ambiente doméstico revela às divergências e discussões, muitas vezes acaloradas, sobre a administração financeira familiar. O que deveria ser somado acaba sendo dividido e subtraído.Esses desentendimentos podem levar para caminhos de traições financeiras. Em outras situações, a família convive com as diferenças nas fontes de renda de cada pessoa, mas adota o estilo “deixa a vida me levar”, onde falta o planejamento para criação, manutenção e aumento do patrimônio através de um planejamento apropriado.
Se um relacionamento começou mal em relação às finanças, ou se perdeu o controle no meio do curso, isso não é motivo de desespero. Ao contrário, é uma ótima oportunidade para o desenvolvimento de um grau maior de maturidade e intimidade do casal.
O importante é que o dinheiro seja visto como um instrumento de liberdade, tanto para a qualidade de vida, como para proteção em épocas de instabilidade e planejamento para o futuro.
Assim, pensando dessa forma a busca de soluções administrativas feitas em casa ou mesmo através de uma consultoria especializada, pode dar o oxigênio necessário para salvar as finanças e o casamento. Confiança, transparência, diálogos francos e principalmente ouvidos atentos às necessidades do parceiro serão muito bem-vindas. O fato é que hábito de conversar e planejar pode ajudar a dar uma direção correta e uma longa vida em comum.